Mercado automóvel sobe 24% em Agosto

mercado-automovel
Nos primeiro oito meses foram já comercializados perto de 147 mil veículos automóveis, mais 27,7% comparando com mesmo período de 2014.

O mercado automóvel em Portugal continua a dar sinais de vitalidade, tendo registado no mês de Agosto agora findo uma subida na ordem dos 24% comparativamente ao período homólogo, de acordo com os números agora revelados pela Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

Com efeito, foram vendidos em Portugal ao longo do mês de Agosto um total de 11.628 veículos automóveis, valor que veio permitir o já referido crescimento homólogo de 24 por cento. Já em relação aos números acumulados para os primeiros oito meses do ano de 2015 em curso, foram vendidos em Portugal 146.928 veículos automóveis, ou seja, mais 27,7 por cento do que em igual período de 2014.

Estes números revelados pela ACAP acabam por permitir um crescimento reflectido no gráfico que aqui deixamos e que, ainda assim, reflecte de forma evidente que apesar desse mesmo crescimento, o volume de vendas observado no mês de Agosto continua a situar-se abaixo da média dos últimos quinze anos (-16,7%).

Como curiosidade relativa aos números do mercado automóvel em Agosto, e olhando para as marcas líderes de vendas, o mês agora findo deixou como registo o maior volume de vendas de veículos ligeiros de passageiros para a Mercedes, com 976 unidades, à frente da Renault (877 unidades) e da Volkswagen (855 unidades). No que diz respeito aos números acumulados do ano, e ainda no respeitante aos volumes de vendas de veículos ligeiros de passageiros, nos primeiros oito meses do ano é a Renault que apresenta maior número de veículos comercializados (14.283), seguido da Volkswagen (12.145) e da Peugeot (11.798).

Em termos de quotas de mercado, curiosamente, os números acima referidos para as vendas de veículos ligeiros de passageiros não permitem ainda grandes alterações percentuais ao que se verificou nos períodos homólogos de 2014, com as quotas a sofrerem alterações ao nível decimal. A única marca que regista uma variação em mais de um ponto percentual, curiosamente, é a Nissan, que apresenta uma quota de mercado para os primeiros oitos meses do corrente ano de 5,90%, quando em 2014 apresentava neste mesmo período uma quota de 4,88%.

Já no que diz respeito ao mercado de veículos ligeiros (o somatório do volume de vendas permitidas pelos ligeiros de passageiros mais os comerciais ligeiros), em Agosto de 2015 foi registado um crescimento de 23,4 por cento relativamente a igual mês do ano anterior, ascendendo a um total de 11.370 veículos desta categoria.

Nos primeiros oito meses de 2015 o mercado de ligeiros cifrou-se em 144.410 unidades, o que correspondeu a um crescimento homólogo de 27,5 por cento.

Por fim, e se preferirmos analisar o mercado por cada tipo de veículo observaram-se as seguintes evoluções nas vendas:

1. Automóveis Ligeiros de Passageiros

No mês de Agosto de 2015, foram vendidos em Portugal 9.436 automóveis ligeiros de passageiros, ou seja, mais 21,9 por cento do que no mês homólogo do ano anterior. Nos primeiros oito meses de 2015 as vendas de veículos ligeiros de passageiros totalizaram 125.642 unidades, o que se traduziu numa variação positiva de 28,6 por cento relativamente a igual período de 2014.

2. Veículos Comerciais Ligeiros

Sempre referentes ao mês de Agosto de 2015, os número da ACAP dão conta de que foram vendidos em Portugal 1.934 veículos comerciais ligeiros, o que representou um crescimento de 31,5 por cento. No período de Janeiro a Agosto de 2015 o mercado ascendeu a 18.768 veículos, o que representou um aumento de 20,6 por cento face ao período homólogo do ano anterior.

3. Veículos Pesados

Quanto ao mercado de veículos pesados de passageiros e de mercadorias, em Agosto de 2015 verificou-se um acréscimo de 59,3 por cento em relação ao mês homólogo do ano anterior, tendo sido comercializados 258 veículos desta categoria. Nos primeiros oito meses de 2015 as vendas situaram-se nas 2.518 unidades, o que representou um acréscimo do mercado de 41,9 por cento relativamente ao período homólogo de 2014.

Sem comentários

Deixe uma resposta

*

*